Blog

Gratidão

Gratidão

21st September 2021

De que falamos, quando falamos de gratidão? Gosto particularmente da forma como São Tomás de Aquino considerou três níveis no exercício desse sentimento tão nobre e pleno de futuro:

1. em primeiro lugar, na sua forma mais simples, a gratidão exprime, a nível cognitivo, o reconhecimento por algo bom que nos foi feito, por vezes até inadvertidamente (quantas aprendizagens nos chegam através da dor e de momentos difíceis!);

2. seguidamente, a gratidão exprime, a nível emocional, louvor e graças pela pessoa que usou para connosco de bondade, criando laços que permanecem para além das circunstâncias (quantas vezes utilizamos a expressão “ela pode ser isto ou aquilo, mas nunca esquecerei o que fez por mim…”);

3. finalmente, a nível social, a gratidão assume o seu patamar mais rico e complexo ao estimular o desejo de retribuir o bem que recebemos (quantas vezes damos continuidade a cadeias de amor depois de nós próprios termos sido “vítimas” da boa intenção de alguém!).

Quando acreditamos que estes três níveis são reais e realistas (isto é, possuem valor intrínseco e podem ser colocados em prática) não fazemos triagem de pessoas ou circunstâncias, antes todos são o nosso público-alvo, incluindo as crianças e jovens com que trabalhamos e convivemos.

Obviamente não se trata de um programa que instalamos e devolve resultados na mesma proporção. É um processo, uma dinâmica permanentemente em construção e em que a medida é a nossa capacidade de amar, de dar sem esperar nada em troca, de sentir o bem-estar à flor na pele quando nos damos conta do quão afortunados somos.

O escritor Richard Foster lembra-nos, na sua obra “Celebração da Disciplina”, que podemos escolher entre compararmo-nos entre os que estão melhor do que nós e os que estão pior; é uma decisão nossa e a percepção da vantagem é o terreno ideal para plantarmos a primeira semente de genuína gratidão, quanto mais não seja por podermos estar a ler tranquilamente este pequeno texto sem que ninguém nos prenda ou feche os olhos.

Os mais novos, qualquer que seja o contexto, serão contagiados pela nossa capacidade de dar valor às pequenas coisas… e às pequenas pessoas.

— Célia Costa

 

Hoje dia 21 de setembro, celebra-se o Dia Mundial da Gratidão

Célia Costa

Célia Costa

Célia Costa tem 59 anos. Cresceu em Coimbra, mas vive em Évora desde 1989. É casada, mãe de 2 rapazes e uma rapariga e já foi avó duas vezes. Trabalhou durante mais de 30 anos na área social, no âmbito da educação não formal. Encontra a sua identidade espiritual na afirmação: "uma razão que crê, uma fé que pensa".

Latest blogs

Ser coach - o meu testemunho

Margarida Barreiros | 26th November 2021

Saúde Emocional

Rae Morfin | 02nd November 2021

Início do Ano Letivo 2021/2022

Equipa Crescer com Amigos | 15th September 2021

Ideias para melhorar a concentração nos estudos

Marisa Moreira Bossa | 30th August 2021

Sem-Amor, Sem-Abrigo

Alfredo Abreu | 02nd July 2021

> View all latest blogs